terça-feira, 30 de março de 2010

Grupo "Os Mosqueteiros" baixa combustíveis dias 1,2 e 3 de Abril

Do Site do Jornal de Negócios

"O Grupo “Os Mosqueteiros” vai reduzir os preços do gasóleo e da gasolina de 95 octanas nos seus postos de abastecimento nos dias 1, 2 e 3 de Abril, informou o grupo em comunicado.

Segundo a mesma fonte, durante estes dias, o preço do gasóleo estará fixado nos 1,019 €/litro e o preço da gasolina sem chumbo 95 octanas nos 1,269 €/litro, nos postos de abastecimento do Grupo que aderiram a esta campanha.

O Grupo "Os Mosqueteiros" “desenvolve regularmente acções de preços baixos nos seus postos de abastecimento, o que reflecte o compromisso do Grupo de oferecer durante todo o ano preços inferiores face aos preços de referência do mercado, procurando que os seus postos de abastecimento sejam os mais baratos da região onde se encontram inseridos”, conclui o comunicado."

Os 6 administradores executivos da Galp Energia receberam uma remuneração conjunta superior a 4 milhões de euros no ano passado



A Notícia da RTP peca por defeito. Não são 4 milhões mas sim 6,2 Milhões de Euros pagos aos gestores da Galp. +2 milhões - 2milhões é um escândalo absoluto o que se passa nesta empresa. Este dinheiro é TODO ELE roubado todos os dias directamente ao bolso dos portugueses.

Galp não quer pagar 43 Milhões de Euros de Impostos às Finanças

Do site do Jornal de Negócios, por Miguel Prado.


"Galp contesta nas Finanças cobrança de 43 milhões em impostos

As reclamações da Galp Energia junto das Finanças por liquidações adicionais de impostos dispararam no ano passado, com o valor alvo de disputa a somar cerca de 43 milhões de euros. Uma verba que diz respeito a correcções e liquidações adicionais sobre os exercícios de 1998, 1999, 2001 e 2005, que a Galp considera não ter de pagar.

Há um ano, as reclamações deste género da petrolífera rondavam 14,6 milhões de euros. No final de 2008, a Galp Energia mantinha em aberto a impugnação sobre a cobrança, pelas autoridades fiscais, de 3,8 milhões de euros relativos ao imposto sobre o rendimento colectivo (IRC) de 1998 e 1999. E tinha ainda uma impugnação idêntica referente ao exercício de 2001 no valor de 10,8 milhões de euros.

Estas contestações continuam a fazer parte do relatório e contas de 2009, com os mesmos valores."

Porque "Está Cara a Gasolina", ZTAM brindam-nos com um protesto musical



Tal como começam as Series Americanas:"Viewer Discretion Is Advised". Aqui ninguém poupou no calão para passar a sua mensagem em força. Ainda assim mensagem não deixa de ser verdadeira e bem humorada.

Obrigado ao Mário Caneira pela sugestão.

segunda-feira, 29 de março de 2010

Portugal foi o segundo na rota do aumento dos combustíveis

Do site do Jornal i, por Ana Suspiro

"
Gasolina e gasóleo nacionais continuam entre os mais caros antes de impostos. O sector diz que há razões para Portugal ser menos competitivo

Gradualmente e sem o alarme social vivido em 2008, os preços dos combustíveis estão a voltar a níveis de Fevereiro desse ano.Portugal está na linha da frente dos países onde os preços sem impostos mais aumentaram este ano.

Entre a última semana de 2009 e a terceira semana de Março, o preço médio da gasolina e do gasóleo nacionais foram os segundos que mais subiram na Europa a 27, de acordo com dados da Direcção Geral de Energia da União Europeia (UE).Na gasolina, os aumentos são liderados pela Dinamarca. No gasóleo, a Grécia foi quem mais agravou o preço antes de impostos (este país também subiu carga fiscal sobre os combustíveis). Portugal surge em segundo lugar no top dos aumentos, mas com diferenças diminutas: um cêntimo acima do terceiro na gasolina (Espanha) e menos de meio cêntimo no diesel (Dinamarca).

Embora não conheça os números deste período particular, o secretário-geral da Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas (APETRO), realça que os estudos sobre o mercado português concluem que a evolução dos preços em Portugal está alinhada com o que se passa na Europa. Recordando o recente estudo apresentado pelo economista Augusto Mateus, encomendado pela Galp Energia, António Comprido assinala que, retirado o efeito dos desfasamentos temporais (duas a três semanas no caso português) e analisada a evolução média em períodos longos, o comportamento do mercado português segue a tendência europeia. E as diferenças, quando existem, são muito reduzidas, de poucos cêntimos por litro. O responsável pela APETRO diz ainda que a análise da diferença entre a cotação platts (cotações que servem de referência internacional para as transacções de produtos petrolíferos) e o preço médio sem impostos, nas últimas 52 semanas, mostra que não houve um aumento da margem das empresas.

Mas se o mercado nacional é concorrencial, como conclui o estudo de Augusto Mateus, então porque é que os preços nacionais estão sempre entre os mais caros da UE? Na terceira semana de Março, Portugal tinha a terceira gasolina mais cara e o quarto gasóleo menos barato, tudo antes de impostos.

É o próprio António Comprido que reconhece que os preços nacionais costumam estar dois a três cêntimos acima da média da UE, sem impostos. Os consumidores pouco notarão a diferença, mas ela pode ser relevante para as empresas, já que este é um mercado onde a escala faz toda a diferença: num ano dois a três cêntimos significa uma receita adicional da ordem dos 150 milhões de euros para a indústria. Por outro lado, a carga fiscal portuguesa, superior à espanhola, amplifica estas diferenças nas bombas.

O responsável da APETRO diz que há características estruturais do mercado nacional que contribuem para esta situação. "É pequeno e periférico, logo aí terá tendência para ser um mercado menos eficiente", explica António Comprido ,que assinala, contudo, o facto dos preços nacionais serem por vezes inferiores aos de Espanha, um mercado quatro vezes maior.

Outra hipótese que avança, sustentada num recente estudo da Comissão Europeia, prende-se com dúvidas sobre se os preços dos vários países são de facto comparáveis. Em Portugal, sublinha, há uma política agressiva de descontos em bomba, através de cartões ou outro tipo de promoção, que não transparece nos preço médio final contabilizado pela Direcção-Geral de Geologia e Energia. Talvez a situação competitiva do mercado nacional de combustíveis melhorasse se as estatísticas traduzissem esta realidade, admite. Fica a dúvida."


Mas qual "dúvida"?!? Resta alguma dúvida a alguém de que somos TODOS roubados, todos os dias, pelas petrolíferas a actuar em Portugal? Resta alguma dúvida que o estudo encomendado pela Galp a Augusto Mateus já definia o resultado do mesmo estudo à priori, logo quando foi encomendado?! Resta alguma dúvida que quem tem responsabilidades no estado para regular este sector está comprado e é conivente com as petrolíferas! Resta alguma dúvida que Augusto Mateus, António Comprido, Manuel Sebastião e quejandos são toda uma cambada de fantoches comandados e pagos pelas petrolíferas.

Contem-me mais histórias... se os portugueses fossem como os gregos contávamos hoje com vítimas mortais nas petrolíferas por atentados à bomba. Não seremos nunca defensores deste tipo de violência, mas que esta faria esta alta esfera mafiosa que domina este pais pensar duas vezes antes de perpetuar estes assaltos, isso faria. Vergonha eles já não têm nenhuma, mas talvez tivessem medo.

domingo, 28 de março de 2010

Galp paga 6,2 milhões a gestores

Do site do Diário de Noticias, por Victor Martins
(Com o nosso comentário transcrito abaixo.)

"CEO da petrolífera ganhou 1,5 milhões de euros, incluindo prémios. Num ano em que os lucros caíram 55%.

Entre ordenados, prémios e bónus, a Galp Energia pagou, no ano passado, aos seus sete administradores executivos qualquer coisa como 4,148 milhões de euros. A que se somou ainda o subsídio de renda de casa ou de deslocação, no valor de três mil euros mensais, para cada gestor cuja residência permanente não se situa na área da sede da petrolífera. Os 13 administradores não executivos, por seu lado, auferiram, no total, nada menos que 2,148 milhões de euros.

As verbas pagas aos 20 gestores - um total de 6,2 milhões de euros - representam 2,9% dos lucros da companhia, que em 2009 viu os resultados caírem para 213 milhões de euros, menos 55,4% que no ano anterior.

Ferreira de Oliveira, presidente executivo da Galp, é, naturalmente, o mais bem pago: levou para casa 1,573 milhões de euros, dos quais 267 mil em PPR e quase 237 mil euros de prémios de desempenho... referentes a 2008. Murteira Nabo, o chairman da empresa, contentou-se com os 210 mil euros do ordenado-base; mas já Fernando Gomes, o antigo presidente da Câmara do Porto, recebeu uma remuneração de 515 mil euros, contando com PPR e remunerações variáveis. Tanto como o administrador financeiro, Claudio De Marco.

Entre os administradores não executivos sobressai o nome de José António Marques Gonçalves: o antigo CEO da petrolífera levou para casa uma remuneração total de 626 240 euros, incluindo 106 mil euros de PPR e 94 mil euros de bónus."



Continua a haver dúvidas, porque razão os combustíveis o que custam em Portugal, quando segundo os preços de referência dos mercados internacionais mostram claramente que deviam custar quase metade?!?

Não me digam que são os impostos! Olhem bem para estas folhas de ordenados! São uma autêntica vergonha! E depois estes senhores ainda se recusam a aumentar os salários dos seus trabalhadores! Claramente, estes são dos maiores responsáveis pela desigualdade que tem vindo cada vez mais a aumentar neste país. É uma Vergonha!


Acabem com o Gamanço!
www.gamanco.blogpost.com

Homens da Luta tomam de assalto bomba de Gasolina! LINDO!



Ficamos muitíssimo contentes, mesmo radiantes, de finalmente termos aliados de peso e com visibilidade no panorama português, na terrível luta contra o descalabro dos preços dos combustíveis em Portugal.
Agradecemos a estes Camaradas mais este brilhante momento de humor ideologicamente consciente.

Com eles entoamos o cântico a plenos pulmões:
“Al Gore sou eu e tu, Al Gore sou eu e tu, Vamos salvar a Terra, O nosso PElaneta, O PElaneta Azul!”

Que Risada!

sábado, 27 de março de 2010

A TENTATIVA DE MANIPULAÇÃO DA OPINIÃO PÚBLICA SOBRE OS PREÇOS DOS

Deixamos mais um interessantíssimo estudo do Economista Eugénio Rosa que pode e deve ser lido na íntegra aqui.



A TENTATIVA DE MANIPULAÇÃO DA OPINIÃO PÚBLICA SOBRE OS PREÇOS DOS

COMBUSTIVEIS: Preços em Portugal continuam a ser superiores aos da maioria dos países da União Europeia


RESUMO DESTE ESTUDO


“Tem-se assistido nos últimos dias, a uma tentativa de manipulação da opinião pública, procurando naturalizar, ou seja, tornar normal e aceitável pelos portugueses, as subidas cada vez mais frequentes dos preços do gasóleo e da gasolina. Jornais como o “SOL” entraram nessa campanha escrevendo mesmo em título destacado que “impostos explicam diferenças de preços de combustíveis”. Mas como podem explicar a diferença de preços quando os preços em Portugal da gasolina e do gasóleo sem impostos são sistematicamente superiores aos preços médios da União Europeia como os dados do Quadro I e II revelam? Como se explica essa diferença que torna os preços de venda final aos consumidores mais elevados do que deviam ser?



Uma peça fundamental nessa operação foi um estudo mandado fazer pela Galp (por uma questão de transparência seria bom que a opinião pública soubesse quanto a Galp pagou por esse estudo), ao ex-ministro da Economia, Augusto Mateus. Segundo o Semanário Sol, esse estudo aponta “para a inexistência de concertação de preços entre as petrolíferas, justificando as subidas de preços com as cotações internacionais dos produtos refinados”. À “boleia” desse estudo mandado fazer pela Galp, o citado ex-ministro da economia multiplicou-se em declarações aos órgãos de comunicação social, nomeadamente à TV, no mesmo sentido.



Dados já de 2010 sobre os preços dos combustíveis nos países da União Europeia, da Direcção Geral da Energia do Ministério da Economia, revelam uma realidade diferente que Augusto Mateus se recusou em ver e apontam numa direcção oposta ao estudo mandado fazer pela Galp.

Assim, em Fevereiro de 2010, em apenas dois países (Finlândia e Grécia) dos 27 países da União Europeia é que o preço do gasóleo sem taxas e impostos, ou seja, o preço que reverte

integralmente para as empresas, era superior ao preço que os consumidores eram obrigados a pagar em Portugal. Em 24 países da U.E. o preço era inferior ao praticado em Portugal. Em Fevereiro de 2010, o preço do gasóleo em Portugal era superior em 6,8% ao preço médio da União Europeia, sendo o preço com impostos apenas superior em 2,2% (Quadro I). Seria importante que tanto a Autoridade da Concorrência como Augusto Mateus, como também a Galp, e mesmo os media que utilizam o mesmo argumento, explicassem aos portugueses essa diferença de preços, já que o preço sem impostos em Portugal é sistematicamente superior ao preço médio da União Europeia. Mesmo considerando o preço com impostos, em 16 países dos 26 da União Europeia esse preço era inferior ao de Portugal (Quadro I).

Situação semelhante se verificava com a gasolina 95. Em Fevereiro de 2010, de acordo com a

Direcção Geral de Energia do Ministério da Economia, em apenas cinco países (Chipre, Dinamarca, Espanha, Itália e Malta) dos 27 países da União Europeia é que o preço da gasolina 95 sem taxas e impostos, ou seja, o preço que reverte integralmente para as empresas, era superior ao preço a que os consumidores portugueses eram obrigados a pagar. Em 21 países da U.E. esse preço era inferior ao praticado em Portugal. Em Fevereiro de 2010, o preço da gasolina 95 em Portugal sem impostos era superior em 4,9% ao preço médio da União Europeia. Mesmo considerando o preço com impostos, em 21 países dos 26 da União Europeia esse preço era inferior ao de Portugal (Quadro II)

Seria importante que tanto a Autoridade da Concorrência como Augusto Mateus, como também a Galp, e os próprios órgão de informação que têm alinhado nas posições das petrolíferas explicassem aos consumidores portugueses porque razão em Portugal os preços dos combustíveis sem impostos são sistematicamente superiores aos preços médios praticados na

União Europeia, apesar da Galp adquirir o petróleo no mesmo mercado internacional em que o fazem as empresas dos outros países. Se os preços sem impostos fossem mais baixos, como deviam ser, naturalmente os preços com impostos também o seriam. Só a passividade, para não dizer mesmo, a conivência do governo e da Autoridade da Concorrência, e estudos como o de Augusto Mateus, que são depois divulgados acriticamente por muitos órgãos de informação, é que podem explicar isso. Só as diferenças entre os preços sem impostos em Portugal e os preços médios da U.E. também sem impostos, dão às empresas em Portugal um lucro extraordinário que estimamos em mais de 400 milhões de euros por ano à custa dos consumidores portugueses. É esta a verdade que não pode nem deve ser manipulada nem omitida e que é necessário que os portugueses a conheçam."

Comissão Sindical dos trabalhadores da Galp confirma greve

Apenas 2 Dias depois, a Galp Aumenta de novo o Preço dos Combustíveis!

A Galp Energia aumentou hoje, à meia-noite, o preço dos combustíveis pela 6ª vez este mês. Nesse mesmo mês o petróleo nos mercados internacionais nunca variou mais de 4 dólares, entre os 78$ e os 82$, preço por barril. O Crude hoje custa 80$, hoje a gasolina em Portugal custa mais 6,2 cêntimos, e o gasóleo mais 5,3 cêntimos que no mesmo dia do mês Passado!

Só hoje:
A Gasolina subiu mais 1 Cêntimo, passando a custar
1,431€ por Litro.
O Gasóleo aumentou mais 1,5 Cêntimos
, custando agora 1,171€ por Litro.


Estamos já a menos de 10 cêntimos de diferença do preço máximo alguma vez registado em Portugal! O petróleo custa hoje 80 dólares, menos 64 dólares do que os 144 máximos registados em Julho de 2008! Nessa altura o preço da Gasolina custou-nos 1,52€, hoje já custa 1,431€!

Este é o maior escândalo e o maior assalto de sempre alguma vez feito neste país. Pergunto-me onde estão os órgãos de comunicação social para informar os consumidores desta autentica calamidade que sobre eles se abateu? Onde está a autoridade da concorrência para nos defender da desgraça ignóbil que todos os dias nos atemorisa? TODOS CALADOS!

É uma vergonha!

Acabem com o Gamanço!

quarta-feira, 24 de março de 2010

Energia: Greve nas refinarias da Galp poderá esgotar combustível nos postos de abastecimento - Sindicato

Do Site do Diário de Notícias

"Porto, 24 mar (Lusa) - Os trabalhadores da Galp Energia anunciaram hoje uma greve de três dias, de 19 a 21 de abril contra a atualização salarial proposta pela empresa, que pode criar problemas de abastecimento nos postos de combustível.

"Uma paragem de três dias implica a paragem de toda a produção e, em termos de abastecimento ao público, poderá haver postos de abastecimento que vão sofrer consequências, uma vez que não haverá abastecimento normal a sair das refinarias", afirmou à Lusa o coordenador do Sindicato dos Trabalhadores da Química, Farmacêutica, Petróleo e Gás do Norte (Sinorquifa).

Em declarações à Lusa, Ribeiro dos Santos anunciou que os trabalhadores da Refinaria da Galp do Porto ratificaram a decisão tomada pelos trabalhadores de fazer três dias de greve, que ficou agendada para os dias 19, 20 e 21 de abril, e greve ao trabalho extraordinário nos dos dias anteriores - 17 e 18 de abril."

Galp aumentou Hoje o Preço dos Combustíveis pela 5ª vez este mês

A Galp aumentou hoje à meia-noite o preço dos combustíveis pela quinta vez este mês.

A Gasolina e o Gasóleo subiram ambos 0,2 cêntimos cada, custando agora os preços por litro 1,421€ a Gasolina e 1,156€ o Gasóleo.

Numa altura em que os preços em Portugal já estão escandalosamente inflacionados face às médias europeias (contrariando os estudos mentirosos que a Galp faz sair) e que o preço do petróleo nos mercados internacionais não sobe, tendo ate descido os ulltimos dias, não se percebe de forma alguma como e por que razões a Galp Energia continua selvaticamente a aumentar os preços. A razão é, a nosso ver, só uma: Não existem limites para a ganância destes senhores.

Acabem com o Gamanço!

terça-feira, 23 de março de 2010

Descubra os dez carros que gastam menos combustível

Do Site do Diário Económico, por Rita Marques da Silva

"Os preços dos combustíveis não param de subir. O Diário Económico mostra-lhe os dez modelos de automóveis que poupam mais e que estão à venda no mercado nacional.

‘Dejá vu' ou tendência incontornável de mercado? O preço da gasolina sobe há seis semanas consecutivas e aproxima-se "perigosamente" dos máximos registados em Julho de 2008, quando chegou aos 1,525 euros por litro. Nessa altura, gastava cerca de 76 euros para atestar o depósito. Hoje, já gasta mais de 70 euros, novamente.

E este não será apenas um período de excepção. Um breve olhar ao mercado petrolífero e a equação parece simples: recursos limitados aliados à dependência global da matéria-prima (e aos elevados custos de novas explorações) e, a prazo, só pode existir um caminho - o da subida.

O destino está traçado, agora resta saber o que pretende fazer em relação a isso. Escolher um automóvel com base no consumo de combustível é uma opção, mas há concessões a fazer. De acordo com o ‘ranking' elaborado pelo portal Autohoje, o Smart fortwo, disponível nas versões coupé e cabriolet, é o automóvel mais económico do mercado, com um consumo combinado de apenas 3,3 litros de gasóleo/100 km. Ou seja, aos preços médios actuais, são cerca 3,7 euros por cada 100 quilómetros. No entanto, perde em espaço e em potência. Os 54 cavalos dão-lhe um cariz marcadamente citadino, ideal para pequenas deslocações na cidade. Já se optar pela versão a gasolina paga menos 2.500 euros no acto da compra e vê a potência aumentar para os 71 cavalos. Em contrapartida o consumo passa para os 4,3 l/100 km, o que significa gastar 5,88 euros. Mais dois euros face à versão a gasóleo para fazer os mesmos quilómetros.

Na versão a gasolina, o Citroën C3 1.4i Airdream arrecada o prémio de menor consumo combinado, 4,1 l/100 km. Os números até podem não lhe dizer muito mas, quando traduzidos em euros tornam-se mais sonantes. Por exemplo, uma pessoa que faça 50 quilómetros por dia, gasta em combustível cerca de 19,6 euros ao volante deste Citroën de cinco portas. O que, face ao modelo mais vendido em Portugal em 2009, o Renault Clio III - na versão mais económica tem um consumo combinado de 5,8 l/100 km - significa uma poupança semanal de oito euros, e mensal de 32 euros. E o Citroën é ainda cerca de 3.000 euros mais barato. No entanto, há sempre concessões a fazer e, geralmente, chama-se "potência". Os 75 cavalos do Citroën competem com os 100 cavalos do Renault.

Regra geral, os carros a gasolina são mais baratos. Primeiro, porque consomem mais, segundo, porque o combustível é mais caro. Entre os 100 modelos a gasolina mais "poupados", o consumo combinado varia entre os 4,1 e os 5,2 l/100 km, enquanto entre os 100 modelos mais económicos a gasóleo, o consumo combinado varia entre os 3,3 e os 4,3 l/100 km. Uma diferença considerável, ainda mais se atender à diferença de preços entre os combustíveis (ver caixa). Voltando ao mesmo exemplo, um condutor que faça 50 quilómetros por dia no automóvel com menor consumo a gasolina (4,1 l/100 km), gasta por semana cerca de 19,6 euros, enquanto se optar pelo carro que apresenta o menor consumo a gasóleo (3,3 l/100 km) gasta cerca de 12,9 euros. Ou seja, poupa 6,7 euros por semana e 26,7 euros por mês. O único senão é mesmo o preço. Enquanto os preços de venda ao público dos cinco carros a gasolina mais poupados variam entre os 8.800 e os 20.590 euros, nos carros a gasóleo os preços variam entre os 12.531 e os 27.795 euros, do Volvo C30 1.6D Drive."

A Mobilidade do Futuro



Numa altura em que consecutivamente temos más noticias do mercado automóvel e dos combustíveis (de aumentos sucessivos e injustificados dos preços), finalmente recebemos boas noticias que, até ver, nos enchem de expectativas e de esperança num futuro melhor, mais limpo e mais justo.

No Dia em que não precisarmos da galp para rigorosamente nada este país e este mundo será certamente muito melhor. Aguardamos ansiosamente que esse dia chegue o mais brevemente possível.

Acabem com o Gamanço!

domingo, 21 de março de 2010

Acabem com o Gamanço Toma a Torre da Galp em Protesto!











Em comemoração do seu primeiro aniversário e como veemente protesto contra o descalabro que reina no mercado dos combustíveis petrolíferos português o Blog Acabem com o Gamanço! decidiu mais uma vez sair à rua em protesto. Desta vez tomamos de assalto a Torre da Galp Energia. Esta torre é o monumento e símbolo máximo na capital portuguesa do poderio que tem esta petrolífera no país. Nela foi hasteada uma tarja gigantesca (com um metro e meio por mais de 10 metros) que exprime bem aquela que é, não só a nossa revolta, mas também a de todos os portugueses que consomem produtos petrolíferos.

O objectivo principal é deixar bem claro e inequívoco aquilo que os portugueses sentem na pele todos os dias: Que já não suportam mais o assalto diário perpetuado pela Galp e pelas outras grandes petrolíferas a quem hoje quer usufruir de um direito básico e inalienável que é seu: o da Mobilidade.

A Mobilidade é um direito fundamental adquirido com a modernidade. Quem atenta contra a nossa mobilidade (e a Galp fá-lo todos os dias) atenta contra a nossa liberdade.

Acabem com o Gamanço!
http://www.gamanço.blogspot.com/

sexta-feira, 19 de março de 2010

Comentário à Notícia do JN sobre o estudo mentiroso da Galp sobre o mercado dos combustíveis

O título desta notícia diz exactamente o contrário do que o texto confirma!

Se não vejamos:

"O trabalho possibilitou conhecer que, no caso dos grandes operadores, os preços dos combustíveis sobem mais nos ciclos de alta, enquanto que nos mais pequenos descem mais nos ciclos de baixa, sem que nunca ponham em causa a rentabilidade do negócio."

Isto é igual a dizer que as petrolíferas nunca são penalizadas com as flutuações do mercado pois há cartelização em Portugal e sim, os preços são muito inflacionados nas subidas e não descem o suficiente nas descidas!

Nem mentir nos estudos que encomenda a Galp consegue! O assalto aos portugueses é Grande demais para que o consigam esconder com mentiras!

Acabem com o Gamanço!
www.gamanco.blogspot.com

e a Notícia do JN sobre o Estudo:

"Preços dos combustíveis são distorcidos pelos impostos

Os preços dos combustíveis em Portugal estão alinhados com a média dos praticados na União Europeia (UE), pelo que a distorção que há se deve à introdução de impostos, afirmou hoje o economista Augusto Mateus.

"A situação portuguesa é perfeitamente alinhada com a média da União Europeia. Contudo, a distorção que há é introduzida pelos impostos", disse o antigo ministro da economia do governo de António Guterres, na apresentação de um estudo encomendado pela Galp sobre "O Mercado dos Combustíveis em Portugal".

O estudo, que se socorreu de modelos econométricos, concluiu que o preço médio de saída dos combustíveis das refinarias da Galp, em Sines e em Matosinhos, quando sobe, tem a ver com "a economia internacional" e não se deve, como algumas entidades têm referido,"a um fenómeno interno".

O trabalho analisou, entre outros aspectos, os preços dos combustíveis no grossista (refinador) e no retalho (distribuição), entre Janeiro de 2007 até Setembro de 2009.

"Estamos perante um sector aberto ao comércio internacional e o sentimento de mal-estar em Portugal [com a subida do preço dos combustíveis] foi evidente e muito importante. Na fase analisada do ciclo de 2007 o aumento dos preços incidiu sobre as famílias [com a subida da gasolina], mas no período de 2008 foram as empresas que mais sentiram, com o aumento do gasóleo", explicou o economista.

No fundo, pode dizer-se que se observou "uma quebra muito significativa" da procura de combustíveis, num mercado muito concentrado e com poucos operadores, mas onde há "uma grande elasticidade dos preços" no posto de abastecimento, uma vez que é possível armazenar grandes volumes, quer de gasóleo, quer de gasolina.

O estudo possibilitou também conhecer que há "uma permanente dança de preços" e existe mesmo possibilidade de haver assimetrias quando os preços sobem ou quando descem, o que não foi percepcionado pelos diversos agentes do mercado.

O trabalho possibilitou conhecer que, no caso dos grandes operadores, os preços dos combustíveis sobem mais nos ciclos de alta, enquanto que nos mais pequenos descem mais nos ciclos de baixa, sem que nunca ponham em causa a rentabilidade do negócio.

Como recomendações, o estudo aponta, entre outras, para que haja uma regulação objectiva e que assente numa monitorização dos operadores, caso da Galp. "Não deve ser pontual e casuística a que se faz", pois o sector petrolífero "não está maduro", especialmente a área da refinação e vai haver custos de ajustamento até 2020/2030, que devem ser acompanhados pelo regulador.

"Há que ter uma política activa de regulação do mercado, nomeadamente nos postos transfronteiriços, centros urbanos, rurais e nos aspectos de 'crosseling' [ao nível dos hipermercados] combatendo sempre as distorções, mas sem precipitações", para que nem as empresas, nem os consumidores, sejam penalizados, salientou o economista.

Com os acordos com Angola e o Brasil fechados pela Galp, o regulador vai ter de passar a preocupar-se com a capacidade de investimento e inovação equilibrada das empresas e não apenas com os preços, concluiu o economista."

quinta-feira, 18 de março de 2010

Acabem com o Gamanço! saiu às ruas da capital em protesto para comemorar o Primeiro Aniversário

Para comemorar o primeiro aniversário deste blog foi dada um pouco mais de cor às Ruas da Capital portuguesa aproveitando ao mesmo tempo da para passar a nossa mensagem a mais gente e protestar veementemente contra aqueles que nos atacam todos os dias.

Foi espalhada por diversos locais, escolhidos a dedo, a mensagem:
“Acabem com o Gamanço!
http://www.gamanco.blogspot.com/





À porta da Sede da Galp da Rua do Alecrim:





No Posto de Abastecimento da Galp do Arco do Cego:

No Centro da Capital, nas Passadeiras da Praça Duque de Saldanha e do Marquês de Pombal.







Abastecer o depósito custa mais 11 euros do que há um ano



"Preços dos combustíveis no máximo durante este mês
Em comparação com o que acontecia há um ano, os consumidores estão a pagar em média mais 10 euros em combustível para encher um depósito de 50 litros."


Portugal perde corrida à construção do carro eléctrico da Nissan



"A construtora japonesa anunciou que vai produzir o carro na fábrica que tem instalada em Sunderland, no Reino Unido. A produção do veículo em Portugal chegou a ser equacionada, mas as ajudas públicas do Reino Unido terão ditado outra opção."

Preços de combustíveis sobem 3% por semana

Do Site do Correio da Manhã

"Os preços do gasóleo e da gasolina, nos mercados internacionais, estão a subir cerca de 3 por cento esta semana. De acordo com o ‘Jornal de Negócios’, a tendência faz prever que se tornem mais caros na próxima semana.


O preço do gasóleo, negociado na Alemanha, está a subir esta semana quase 3% para 495,29 euros por tonelada. Já a gasolina sem chumbo 95 octanas está a avançar 3,03% para 570,60 euros.

A média praticada no início desta semana foi fixada em 1,348 euros, no caso da gasolina sem chumbo 95 octanas, e em 1,109 euros no gasóleo."

Acabem com o Gamanço! Completa Um Ano de Existência

Foi exactamente há um ano, dia 18 de Março de 2009, que foi Publicado o Primeiro Post deste Blog.
Nele anunciávamos a que “Este é um Blog de Resistência e Luta contra o Roubo nos Combustíveis e no sector energético!
Visamos expor em detalhe todo este esquema sofisticado de assaltos, para que se torne público o descontentamento e para que finalmente se tomem medidas para acabar de vez com este escândalo!”.

Neste ano que passou, nos 222 Posts que publicámos, não mudamos uma única virgula na nossa politica e nos nossos objectivos.
Continuamos a lutar todos os dias contra o roubo diário e sucessivo que tem vindo a ser feito aos portugueses.


Os mais de 2 308 Visitantes de 31 países diferentes, onde os 5 primeiros são Portugal, Brasil, Bélgica, Espanha e Reino Unido, mas que a extensa lista abrange desde os maiores produtores de petróleo, os Emiratos Árabes Unidos, passando pela Indonésia Índia Malásia ou Israel até à suíça à Suécia, ao Japão, à Polónia ou à Argentina,. Esta extensa lista prova bem o alcance que esta causa tem neste momento. Durante este Ano recebemos mais de 5 2329 Visitas e tivemos mais de 18 356 Páginas visualizadas. A página mais visualizada deste blog é, como não poderia deixar de ser, a já famosa «Lista de "Tachistas" da Galp Energia e suas Biografias»

Contamos com 11 Seguidores no Google Reader, 194 Fãs deste blog no Facebook, 455 membros da causa “Por um Preço Justo nos Combustiveis Petroliferos” e 555 followers no Twitter e pensamos vir a recolher cada vez mais apoiantes para a luta nesta causa. Contamos também com o seu apoio para divulgar e reforçar esta causa, para que de uma vez por todas conseguirmos atingir os objectivos a que nos propomos.

São Eles:

  1. Um Preço justo na Gasolina e no Gasóleo em Portugal e uma Política de Energia Sustentável baseada nas Energias Renováveis.
  2. Uma Autoridade da Concorrência actuante que ponha fim à cartelização dos preços que se faz desde que Manuela F. Leite os liberalizou em 2004.
  3. O controlo do estado directamente sobre o preço final da gasolina e do gasóleo.
  4. O fim dos tachos dourados dos membros dos partidos bloco central (PS e PSD) nas empresas de energia controladas pelo estado (Galp e EDP).
  5. O fim da especulação do petróleo nos mercados internacionais.

Isto tudo, para que de uma vez por todas,
Acabem com o Gamanço!

Energia é "um dos factores de grande desequilíbrio"

Do Site do Diário de Notícias


As palavras do Ministro Luís Amado, são surpreendentemente acertadas e têm mais sentidos do que o próprio tinha consciência quando as proferiu.
A Energia é de facto "um dos factores de grande desequilíbrio" do País, mas o maior problema não é o das exportações. O Sector da Energia é neste momento um dos maiores responsáveis pelo desequilíbrio e desigualdade social deste país. Com os preços dos combustíveis ultra inflacionados há portugueses que abdicam de muita da sua qualidade de vida para conseguirem pagar um meio de transporte que todos os dias os leve ao trabalho. Há gente a ganhar muito dinheiro com este assalto, e outros há que se vêm obrigados a pagar aquilo que não têm para continuar a levar a sua vida de todos os dias.

"O Ministro dos Negócios Estrangeiros, Luís Amado, destacou esta noite, no Porto, que "a energia é um dos factores de grande desequilíbrio" da economia nacional, porque Portugal não exporta para os países a quem compra gás e petróleo.

"Muita atenção aos países que nos fornecem gás e petróleo porque a energia é um dos factores de grande desequilíbrio que o nosso país conhece", afirmou o governante durante a sua intervenção na última das Conferências do Palácio, organizadas pela Associação Comercial do Porto.

Aproveitando a presença do empresário Américo Amorim, Luís Amado contou ter identificado um "facto muito aberrante" nas facturas de importações da Galp.

"Quando iniciei funções eu tive a preocupação de pedir à Galp a fatura das suas importações para identificar esse facto muito aberrante de não vendermos aos países a quem compramos petróleo e gás", salientou.

Amado explicitou mesmo que Portugal apresenta "défice extraordinário na balança comercial" que resulta num "peso duplo" sobre si "desequilíbrio macro económico" e sobre a sua "balança de pagamentos".

"É que não só compramos muito, porque estamos totalmente dependentes em energia fóssil, como ainda por cima não temos nenhuma contrapartida, porque não há relações de exportação para esses países, nem há relações de investimento com esses países", lamentou.

Uma das prioridades dos próximos anos da política externa será, por isso mesmo, a de "reequilibrar a relação com esses países" de forma a "fazer deles mercados também importantes" para a exportação e investimento nacionais.

Outras prioridades, elencou, passam por "apoiar a recuperação económica do país" e "reforçar a sua participação no sistema internacional".

A isto acresce a pertinência em ter relações "mais ambiciosas com os BRIC's (Brasil, Rússia, Índia e China) e outras economias com grande potencial de expansão nas próximas décadas", além da necessidade de dar atenção não só à projeção da língua portuguesa, mas também à afirmação de Portugal no contexto europeu e ao processo de renovação da agenda transatlântica.

"Do meu ponto de vista, falta-nos um sopro de ambição para estruturar de forma mais consequente as relações com as outras regiões do mundo que estão a emergir e a afirmar-se como os pólos de poder da globalização", sublinhou.

Ainda assim, o ministro dos Negócios Estrangeiros acredita que "o País tem um enorme potencial de afirmação no mundo", mas precisa de "resolver o problema que é a produção de riqueza no País".

"Nós não seremos capazes de resolver o problema da dívida se não formos capazes de resolver o problema da produção de riqueza", garantiu.

"Se formos capazes de resolver este problema, e ao mesmo tempo reposicionarmo-nos no novo sistema que está em gestação em termos internacionais, não tenho dúvida nenhuma de que Portugal poderá, nas próximas décadas, ter um lugar mais destacado no ranking das nações", concluiu."

quarta-feira, 17 de março de 2010

Petróleo ganha 3%, OPEP diz que preços estão "lindos"

Do Site do Diário Económico, por Eudora Ribeiro

Bonito, Bonito, era estes irresponsáveis que gerem os mercados internacionais dos combustíveis e da energia serem todos presos e obrigados a devolver os milhares de milhões que roubaram indevidamente da população mundial durante os últimos 30 ou 40 anos.

"Os preços do petróleo estão a ganhar mais de 3% em Londres, depois de a OPEP ter dito hoje que a procura está a aumentar.

O preço do barril de 'brent' subia 3,2% para 81,55 dólares em Londres, enquanto o barril de crude avançava 1,08% para 82,58 dólares em Nova Iorque.

A Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) revelou hoje que vai deixar as quotas de produção do cartel inalteradas pela quinta vez consecutiva desde 2008, nos 28.845 milhões de barris diários.

A organização que é responsável pela produção de cerca de 40% da produção mundial de petróleo explicou a decisão com os sinais de que o excesso de petróleo disponível no mundo está a escoar, à medida que a recessão abranda.

"A OPEP diz que a procura está a aumentar e isto é positivo para os preços do petróleo", comentou um especialista à Bloomberg.

O ministro do Petróleo da Arábia Saudita, Ali al-Naimi, também veio hoje dizer que os preços do crude "estão bonitos" como estão acima dos 80 dólares, e que não há razões para alterar os limites de produção."

Preço da gasolina em Portugal aumenta para 1,40 euros

Do site do Diário Económico, por Rita Paz

Esta notícia é muito gira mas vem com uma semana de atraso. O preço da gasolina hoje já custa 1,424€ nos postos de abastecimento mais caros da Capital, como são disso exemplo as bombas da Galp do viaduto do Aeroporto, do Eixo Norte-Sul, do Aeroporto ou da Calçada de Carriche. (A "Fonte DGGE" é exactamente a mesma)



"Tal como o Económico avançou na sexta-feira, os preços dos combustíveis voltaram a subir esta semana. O litro de gasolina superou a barreira dos 1,40 euros pela primeira vez em 18 meses.

Segundo os dados da Direcção Geral de Energia e Geologia (DGEG), o preço da gasolina está a subir há seis semanas consecutivas e o do gasóleo está a aumentar há cinco. Desde que o petróleo atingiu níveis recorde, em Setembro de 2008, que não se pagava tanto para abastecer um automóvel.

Os preços praticados pelas gasolineiras têm como base a cotação média da gasolina e do gasóleo na semana anterior, altura em que subiram 3,7% e 3,4% respectivamente, segundo dados da Bloomberg.

Nos postos a gasolina subiu esta semana entre dois cêntimos na Repsol e três cêntimos na BP. Já o gasóleo aumentou 0,8 cêntimos na Galp e 1,6 cêntimos na BP.

A influenciar a subida da matéria prima está o aumento do petróleo nos mercados internacionais, que superou já a barreira dos 80 dólares por barril, a subida dos produtos refinados e ainda a valorização do dólar face ao euro, segundo explicam fontes do sector.

Com base nos dados do 'site' da DGGE referentes aos preços praticados na zona de Lisboa, entre as quatro petrolíferas de referência os preços da gasolina vão desde 1,409 euros na Galp e na Cepsa a 1,419 euros na BP, enquanto que para o gasóleo os preços rondam os 1,144 euros na Galp e os 1,155 euros na BP.

Há mais de um ano que não custava tanto abastecer um veículo nos postos da Galp, Cepsa, Repsol e BP.

  • Preços de referência em euros

Gasolina

Gasóleo

Galp

1,409

1,144

Cepsa

1,409

1,147

BP

1,419

1,155

Repsol

1,414

1,154

Fonte: DGGE"

REN condenada a pagar 20, 3 milhões de euros à Amorim Energia

Do Site do Público, por Rosa Soares

Como se não bastasse já o escândalo dos bonus multimilionários pagos a Penedos e Rui Pedro Soares e outros quejandos, agora isto.

"A REN – Redes Energéticas Nacionais acaba de comunicar ao mercado que foi condenada, por um tribunal arbitral, a pagar uma indemnização de 20,3 milhões de euros à Amorim Energia, na sequência do diferendo relacionado com a distribuição de dividendos da Galp.

Em relação à notificação agora recebida, a REN apenas adianta que “se encontra a analisar este acórdão arbitral e as eventuais medidas a adoptar a este respeito”.

O conflito remonta a 2006, no âmbito da compara da participação na Galp, por parte da empresa Amorim Energia, detida por Américo Amorim e pela empresária angolana Isabel dos Santos.

O diferendo assenta na distribuição de dividendos, relativos a esse ano, que foram recebidos pela REN, vendedora da participação. A Amorim Energia reclamou essa verba, no montante de 40,6 milhões de euros, recorrendo a um tribunal arbitral.

Esse tribunal decidiu a favor da REN, o que levou a Amorim Energia a encetar uma segunda arbitragem, reclamando uma indemnização no âmbito do acordo accionista celebrado em 2005 entre REN, Amorim e os italianos da ENI. É sobre o segundo tribunal arbitral que há a decisão de condenar a REN a pagar metade do valor reclamado, ou seja, metade dos dividendos recebidos."

terça-feira, 16 de março de 2010

Trabalhadores da Galp fazem greve em Abril

Do site do Diário Económico

"Os trabalhadores da Galp vão "recorrer à greve" em Abril se a administração não atribuir o prémio de resultados e se mantiver a proposta de aumento salarial.

Os representantes dos trabalhadores, que vão hoje tentar sensibilizar a administração para estas questões, consideram que "é preferível chegar a acordo, do que entrar em conflito", disse o coordenador da Comissão Sindical Negociadora da Galp, (CSNG),
Armando Farias, citado pela ‘Lusa', sublinhando que se não houver um recuo por parte da empresa, os trabalhadores irão "recorrer à greve".

"Ainda durante o mês de Abril, isso é certo", adiantou. Em causa está a proposta da Galp Energia relativamente a um aumento salarial de 1,2%, um valor considerado por Armando Farias como sendo "irrealista", atendendo a que "os preços estão a subir".

"E, ainda para mais, quando a empresa registou um lucro de 213 milhões no ano passado", frisou, adiantando que a proposta dos trabalhadores incide nos 2,8%.

Relativamente ao prémio de resultados, outra das reivindicações dos representantes dos trabalhadores, Armando Farias recorda que nos últimos anos esta medida tem sido aplicada.

"Mas este ano a empresa não quer distribuir nada", declarou, classificando esta decisão como sendo "inaceitável".

A concentração de hoje deverá reunir os representantes dos trabalhadores da Galp Energia oriundos de vários pontos do país, como Sines e Porto, junto à sede da empresa, em Lisboa.

O número de representantes não está ainda contabilizado, o mesmo sucedendo com a data exacta para a eventual greve dos trabalhadores.

"Os sindicatos e os trabalhadores não querem precipitar uma decisão mais radical. Em primeiro lugar queremos sensibilizar a administração, só depois partiremos para a etapa seguinte", explicou à Lusa o coordenador da CSNG.

Além dos aumentos salariais e do prémio de resultados, os trabalhadores da Galp Energia pretendem ainda que o valor do subsídio de alimentação seja de 11 euros, assim como a atribuição de uma verba para infantários, creches e amas, no valor de 150 euros.

Questionado sobre o valor médio salarial dos trabalhadores da empresa, o coordenador referiu não saber, alegando que a administração "não fornece esses dados"."

segunda-feira, 15 de março de 2010

Preços dos combustíveis podem voltar a subir nos próximos dias



Depois de ver e rever esta reportagem da SIC não restam quaisquer dúvidas que único culpado pelo exorbitante preço dos combustíveis praticado em Portugal, não são os impostos, mas sim, única e exclusivamente: A Galp Energia. Cambada de Ladrões.

A Galp Voltou hoje a aumentar os preços dos Combustíveis pela 4ª vez este mês

O Preço dos Combustíveis voltou hoje à meia-noite a aumentar nos postos de abastecimento da Galp. Este foi o 3º aumento no espaço de 7 dias, tendo o preço da gasolina aumentado neste período de tempo mais 3,5 cêntimos por litro e o preço do gasóleo mais 1,9 cêntimos por litro.

Só hoje o Preço por litro da Gasolina foi aumentado em 1,5 Cêntimos, custando agora 1,419 €.
O Preço por litro do Gasóleo foi também aumentado em 0,9 Cêntimos, custando agora
1,154 €.

A vergonha e o assalto continuam e a autoridade da concorrência continua muda e calada, o Governo conivente com o assanto continua, e não há ninguém com coragem e responsabilidade neste país que venha defender o superior interesse dos consumidores e do país. É um escândalo. É, foi, continua cada vez mais a sê-lo.

sexta-feira, 12 de março de 2010

Combustíveis ficam (AINDA) mais caros na próxima semana

No Site do Diário Económico, por Rita Paz

"O comportamento dos mercados antecipa um novo aumento dos preços da gasolina e do gasóleo em Portugal na próxima semana.

Os preços praticados pelas gasolineiras têm como base a cotação média da gasolina e do gasóleo na semana anterior. Tendo em conta que, segundo dados da Bloomberg, ambos subiram esta semana - 3,7% e 3,4% respectivamente - antecipa-se um novo aumento dos preços dos combustíveis a partir de segunda-feira.

O litro de gasóleo custa actualmente cerca de 1,136 euros, enquanto o preço da gasolina ronda os 1,386 euros por litro. Desde finais de 2008 que não custava tanto abastecer um veículo nos postos da Galp, Cepsa, Repsol e BP.

De acordo com o último relatório de Bruxelas, o preço médio da gasolina 95 octanas praticado em Portugal é o 6º mais caro em toda a União Europeia. Já o gasóleo é o 12º mais caro entre os 27 países do espaço comunitário"

Gary Lauder's new traffic sign: Take Turns

quinta-feira, 11 de março de 2010

Apenas 48 horas depois, A Galp VOLTA A AUMENTAR os Combustíveis. Um litro de gasolina já custa MAIS de 1,40€!

À meia-noite de hoje, quinta-feira dia 11 de Março, e apenas 2 dias depois do último aumento a Galp voltou a aumentar o preço dos combustíveis petrolíferos em Portugal. Este é já o 3º aumento em Março.

A Gasolina
viu o seu preço por litro aumentado em mais um cêntimo, custando agora 1,404€. A diferença de preço para o recorde alcançado em Julho de 2008, quando o barril de petróleo custava mais 60 Dólares, é agora de menos de 10 cêntimos por litro! O assalto da Galp aos consumidores portugueses está a atingir proporções nunca antes vistas! Agora, que por causa do PEC, a Galp corre o serio risco de perder o único laço que ainda a mantinha presa ao estado através da total privatização da empresa, o descontrolo deste gamanço promete atingir proporções bíblicas.

O Gasóleo
também viu hoje o seu preço por litro aumentar uma décima de cêntimo, custando agora 1,145€.

Combustíveis mais caros há cinco semanas

Do Site da Agência Financeira por Marta Dahnis

“Desde o início do ano que os preços dos combustíveis continuam acima dos níveis com que terminaram 2009 e até acima da média do ano passado. Além disso, apesar de uma ligeira descida entre as semanas de 18 de Janeiro e 1 de Fevereiro, a gasolina esteve sempre a subir desde o início do ano e completa agora cinco semanas seguidas de aumentos. Já o gasóleo, que sofreu ligeiras descidas entre 18 de Janeiro e 8 de Fevereiro, sobe há quatro semanas consecutivas. Também face à média de 2009, ambos os combustíveis têm estado sempre acima desses valores.

Só nos últimos dias, a Agência Financeira sabe que todas as gasolineiras aumentaram os seus preços. A começar pela Cepsa e Galp, onde a gasolina sem chumbo 95 é a mais barata, o aumento foi de 0,5 e 1 cêntimo, respectivamente, para 1,384 euros por litro. A primeira procedeu a um aumento na terça-feira e a petrolífera portuguesa na segunda-feira.

Ainda BP elevou a gasolina esta noite em 0,4 cêntimos para os 1,389 euros por litro. A Repsol, que subiu 1,3 cêntimos na terça-feira, tem o preço de referência mais caro de 1,3994 euros.

No gasóleo, as tendências são parecidas. A Galp, que aumentou 1 cêntimo na segunda-feira, tem o preço de referência mais baixo, de 1,134 euros por litro. Segue-se a Cepsa que subiu 1,1 cêntimos para os 1,135 euros na terça-feira. Na BP, o gasóleo subiu 0,4 cêntimos esta noite para os 1,139 euros e, na Repsol, custa 1,144 euros, depois de um aumento de 1 cêntimo na passada terça-feira.

No entanto, de acordo com dados da Direcção-Geral de Energia e Geologia (DGEG), os preços médios da gasolina, a 8 de Março, estão abaixo deste valores nos 1,348 euros. Já o preço médio do gasóleo fica nos 1,109 euros.

A incentivar estes aumentos estão as subidas da matéria-prima. O IPE Brent, petróleo negociado em Londres e de referência para as gasolineiras em Portugal, já subiu 14,6% desde a semana de 8 de Fevereiro, altura desde a qual os combustíveis estão ficar mais caros ininterruptamente.”

terça-feira, 9 de março de 2010

Social Mobility – Um retrato fiel do que se passa nas administrações das grandes empresas portuguesas.

Social Mobility (Staircase) (2005)
Aluminium, wood, iron, and concrete
700 x 200 x 430 cm
Unique




Sem querer tomar partidos na muito antiga e filosófica questão de quem imita quem - “Será a Arte que copia a Realidade ou a Realidade que copia a Arte?” – Deixamos aqui esta imagem duma instalação da dupla de artistas escandinavos Elmgreen & Dragset intitulada “Social Mobility”.

Esta instalação é um retrato fiel e cristalino daquilo que se passa hoje na administração das grandes empresas em Portugal.

Entre os escombros dos primeiros degraus encontramos toda a massa trabalhadora que todos os dias veste a camisola da empresa e que a leva as costas. Trabalhadores honestos e dignos, muitos deles com muitos anos de vida gastos formação e educação, e com muitos anos de experiencia adquirida nas respectivas empresas, mas que ainda assim ganham em média 32 vezes menos que os seus administradores. A diferença é abismal.
E por mais que se esforcem, por mais objectivos que cumpram, por mais méritos e qualidades que tenham, ficarão sempre estancados num determinado patamar da sua carreira a meio desta escada.

Aos degraus de cima, os que dão acesso directo as administrações só chegam aqueles que têm como rampa de lançamento, e único critério de escolha, um cartão de um determinado partido com assento no governo (que volta e meia tem mais um ou menos um “D” no final) ou nome sonante no apelido. Nada mais. Tenham 35 anos ou 53. Não interessa se nunca na vida ouviram falar do ramo de actividade que vão “administrar”. Interessa que vão ganhar 32x aquilo que um trabalhador normal ganha, e trabalhar 500x menos. Com sorte ainda apanham um Presidente caído de pára-quedas partidário, como António Mexia na EDP, que aumentou em 2007 todos os salários dos administradores em 118% e aos trabalhadores apenas 1,2%, partindo mais uns quantos degraus da escada com este acto benemérito.

Esta é a triste e imoral realidade da igualdade e da mobilidade social em Portugal. Somos infelizmente um país cada vez mais injusto e que cada vez menos recompensa o mérito, a capacidade e a experiencias dos seus trabalhadores.

É incrível a maneira como esta instalação põe a nu e sem precisar de mais palavras a nossa triste realidade social.



Sobre esta dupla de artistas fica também a entrevista dada por Ingar Dragset sobre a sua participação na Bienal de Veneza de 2009 patente no belíssimo pavilhão dos Países Nórdicos, do Arquitecto Sverre Fehn falecido no ano passado.



Transportadores de mercadorias querem benesse de 8 cêntimos no preço do gasóleo

Do Site da TSF


"O Governo demonstrou-se receptivo, esta segunda-feira, às propostas sobre uma eventual redução do preço dos combustíveis para os transportadores. Em declarações à TSF, o porta-voz da Associação Nacional das Transportadoras explicou, no entanto, que não está excluída a hipótese de realizar mais uma greve. (Clique aqui para ouvir as declarações)

A Associação Nacional das Transportadoras reuniu, esta tarde, com o secretário de Estado dos Transportes, Carlos Correia da Fonseca, para discutir a eventual redução da carga fiscal sobre os combustíveis e pediu uma benesse de oito cêntimos no preço do gasóleo.

«Indirectamente, estamos a falar de cerca de 30 milhões de euros em IVA que passariam a circular nos cofres do Estado. Acresce com esta medida que não haveria assim possibilidade de fuga aos impostos porque só teria o direito de auferir deste desconto quem tivesse as suas contribuições em dia», explicou à TSF o porta-voz da Associação Nacional das Transportadoras, António Loios.

Para além dos combustíveis, outras questões foram discutidas na reunião desta segunda-feira, como a Formação Profissional ou os limites impostos às categorias da carta de condução. Apesar destes temas terem sido «bem acolhidos» pelo Executivo, os transportadores não excluem a possibilidade de voltar à greve.

«Infelizmente a ideia de voltar a uma greve não fica desmobilizada porque o sector dos transportes passa por graves privações e quer ver os seus assuntos resolvidos como forma de apaziguar as dificuldades por que estão a passar», afirmou.

Até à reunião da próxima segunda-feira, a Associação Nacional de Transportadores pede "calma" aos sócios para as negociações com o Governo."

Zangam-se as Comadres... sobem se os preços!?!

Como já alertamos no post anterior os preços subiram hoje nos postos da Galp Energia atingindo o preço mais alto desde Julho de 2008.

A capa do Diário Económico de hoje anuncia-nos o “Divórcio entre Amorim e Isabel dos Santos”. A guerra está aberta pelo controlo da Galp Energia, e quem a pagará é, como já hoje estamos a ver, o consumidor português.

Serão transcritos abaixo os textos publicados hoje sobre este assunto no site do Diário Económico para uma melhor compressão deste assunto:


“Divórcio entre Amorim e Isabel dos Santos

Américo Amorim e a empresária angolana Isabel dos Santos decidiram terminar a sua parceria na Cimangola, a empresa de cimentos de Angola.

A saída é explicada pelo facto de Américo Amorim ter considerado que não se tratava de uma posição estratégica. E o negócio não teria importância se não existissem sinais de mal estar entre o grupo Amorim e os parceiros angolanos na Galp Energia. Há poucos dias, depois de Amorim adquirir uma participação indirecta de 4,5% da Caixa Galicia na Galp, Manuel Vicente, presidente da Sonangol, afirmou que quer entrar directamente na Galp Energia. Ora, Manuel Vicente e Isabel dos Santos são parceiros da Amorim Energia que, por sua vez, detém 33,34% da Galp. Além disso, Murteira Nabo, ‘chairman' da petrolífera portuguesa, defende a necessidade de um aumento de capital na empresa, o que é aplaudido pelos angolanos, enquanto o presidente executivo, Ferreira de Oliveira, próximo de Amorim, diz que não há necessidade de nenhum aumento de capital. Com o fim do acordo parassocial na Galp marcado para o fim deste ano, as movimentações pelo controlo da companhia multiplicam-se e também os jogos de poder na petrolífera. Enfim, se não há divórcio, pelo menos, parece e até há quem diga que Américo Amorim já tem outra ‘noiva' que dá pelo nome de Petrobras, resta saber se os angolanos estão pelos ajustes”


“O que pode estar em jogo na Galp

As relações entre Isabel dos Santos e Américo Amorim vão ser testadas na Galp.

O divórcio entre Isabel dos Santos e Américo Amorim na área dos cimentos ganha mais relevância numa fase em que as movimentações em torno da Galp Energia, onde ambos são accionistas. De resto, se dúvidas houvesse acerca desses movimentos à volta da petrolífera e do respectivo acordo parasocial que termina este ano, as recentes declarações de Manuel Vicente, presidente da Sonangol, anunciando a sua vontade de transferir uma posição indirecta no capital da Galp para uma posição directa, clarificaram a situação.”

A Galp voltou hoje a aumentar o preço dos combustíveis, e o preço é o mais alto desde o pico do petróleo em Julho de 2008!

A Galp Energia voltou hoje, à meia-noite, a aumentar os preços dos combustíveis nos seus postos de abastecimento, pela 2ª vez consecutiva este mês, sendo o 10º aumento do ano.

A Gasolina ficou agora mais cara 1 cêntimo por litro, custando este agora
1,394€.
O Gasóleo
aumentou hoje 1,2 cêntimos por litro, custando agora
1,144€.

Os preços praticados hoje pela Galp são os mais caros desde que o barril de petróleo atingiu nos mercados internacionais o preço máximo de 144 dólares por barril em 11 de Julho de 2008. O preço nessa altura era pouco mais de 10 cêntimos por litro mais alto do que o preço hoje praticado. Nos mercados internacionais o preço do crude esta a ser hoje negociado na casa dos 80 dólares por barril, mais de 60 dólares mais barato do que em Julho de 2008. Esta diferença abismal é um escândalo.

A Galp Energia anunciou a semana passada uma quebra os lucros de 55% no ano de 2009, 213 milhões de euros apenas (!!!). Esta redução foi claramente fruto desta empresa ser instrumentalizada pelo poder político que governa este país, que a obrigou durante um longo período eleitoral a manter e baixar os preços para não deixar fugir votos para a esquerda que muito justamente reclamava a sua nacionalização.

Agora, passado o longo período eleitoral, a Galp continua avidamente a roubar os portugueses todo o santo dia e não há meio de ninguém por termo a esta vergonha. Os preços continuam a subir a contra-ciclo e em catadupa, e Manuel Sebastião o que diz? NADA.

Acabem com o Gamanço!

sábado, 6 de março de 2010